Violência contra a mulher: inforgráfico_Unwomen

A Unwomen preparou um infográfico muito bom sobre o tema ‘violência contra a mulher’. Nele estão resumidas não apenas as definições dos diversos tipos de violências, mas também são apresentados alguns números e depoimentos sobre o assunto:

Violence Against Women

Anúncios

ONU Mulheres abre vaga de consultoria para ações da iniciativa ‘O Valente Não É Violento’

ONU Mulheres abre vaga de consultoria para ações da iniciativa ‘O Valente Não É Violento’.

Violência contra mulher: ONU e ISP – RJ, referências

Em setembro o Washington Post publicou matéria na qual apresentava resultados de levantamento da ONU acerca do aumento da violência contra a mulher no mundo: http://wapo.st/15zVtsd

No mesmo mês, o Instituto de Segurança Pública lançou a versão 2013 do Dossiê Mulher (ano base 2012): http://bit.ly/15zWf8C. Ali alguns dados são apresentados com destaque:

– 58.051 mulheres foram vítimas de agressão;

– Lesão corporal dolosa teve crescimento de 6,3% para vítimas do sexo feminino.

O Globo publicou duas matérias que sintetizam o material disponibilizado pelo ISP, uma em março <http://glo.bo/15zW9gY> e outra em setembro/2013 <http://glo.bo/15zW8d9>.

Ato infracional, mídia, drogas, vida e revisão do ECA

A mídia tem destacado nos últimos dias notícias relativas a ato infracional grave cometido por adolescentes, em particular no que se referem a ações contra a vida.

O que podemos aprender dessas notícias?

Continue Lendo “Ato infracional, mídia, drogas, vida e revisão do ECA”

UN visits Bogota to discuss drug consumption centers – trove

http://colombiareports.com/colombia-news/news/25532-united-nations-wants-to-s&#8230; A iniciativa de Bogotá e a do Uruguai trazem o foco para a América do Sul sobre novos modos de lidar com a questão das drogas. Nessas iniciativas, nada do que lemb…

http://colombiareports.com/colombia-news/news/25532-united-nations-wants-to-s…

A iniciativa de Bogotá e a do Uruguai trazem o foco para a América do Sul sobre novos modos de lidar com a questão das drogas. Nessas iniciativas, nada do que lembre estratéticas do tipo ‘guerra às drogas’. 

Em parte reconhecimento de uma impossibilidade, em parte tentativa de encontrar uma estratégia mais eficaz, lentamente o discurso sobre as drogas encontra uma nova face.

A ONU ainda não adotou essa perspectiva, mantendo, de certa forma, o lema da guerra ainda vivo. Nesse momento, em contrapartida, a Holanda, prepara-se para experimentar um regime mais restritivo de sua política de venda de drogas leves nos cafés. Portugal segue sendo citado como experiência-modelo quanto à legislação sobre drogas.

No Brasil, muito ainda a fazer. A discussão sobre o crack talvez oblitere as discussões necessárias que, aparentemente encontram-se mais avançadas nos países citados. 

FHC e mais seis presidentes relacionam guerra às drogas com propagação da aids:

http://www.observadorpolitico.org.br/2012/06/fhc-e-outros-presidentes-relacio…

ONU – Referências sobre crianças vítimas e testemunhas de crime

Guidelines on justice in matters involving child victms and witnesses of crime [ECOSOC] http://bit.ly/LIKj8G Justice in matters involving child victms and witness of crime [UNODOC] http://bit.ly/LIKsca

Guidelines on justice in matters involving child victms and witnesses of crime [ECOSOC]

http://bit.ly/LIKj8G

Justice in matters involving child victms and witness of crime [UNODOC]

http://bit.ly/LIKsca

 

Conselho da ONU sugere fim de Polícia Militar no Brasil – politica – politica – Estadão

Veja também: ONU cobra mais ações do Brasil para garantir os direitos humanos ONU pede ao Brasil que obras da Copa e dos Jogos Olímpicos beneficiem os pobres Abuso policial mancha direitos humanos no Brasil, dizem EUA Chefe de direitos humanos…

Veja também:

link

ONU cobra mais ações do Brasil para garantir os direitos humanos


link

ONU pede ao Brasil que obras da Copa e dos Jogos Olímpicos beneficiem os pobres


link

Abuso policial mancha direitos humanos no Brasil, dizem EUA


link

Chefe de direitos humanos da ONU tem mandato renovado por 2 anos

Abolir a Polícia Militar, acusada de execuções sumárias e de violações. A recomendação foi apresentada pela Dinamarca e faz parte das sugestões apresentadas pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU ao Brasil, no marco da sabatina realizada sobre a situação dos direitos humanos no Brasil, na semana passada. Nesta terça-feira, 30, nas conclusões dos trabalhos, a sugestão de acabar com a força policial foi incluída no texto.

No total, a sabatina do Brasil resultou em 170 recomendações ao País sobre como superar as violações de direitos humanos, numa clara demonstração de que, apesar de certos avanços, a situação social, econômica e de igualdade ainda é preocupante.

Mas o governo preferiu não dizer ontem quais das 170 recomendações aceitará aplicar – um direito que tem – e pediu até setembro para que se estude cada uma das sugestões. A delegação brasileira na sabatina, porém, foi uma das mais numerosas que a ONU já recebeu neste ano, com 36 integrantes. Em 2012, só a sabatina do Bahrein, país que vive momentos de turbulência, contou com uma delegação maior para se defender. Para a entidade Conectas, a parte mais dificil será a implementação de todas as recomendações.

Um dos principais pilares das recomendações no Conselho focou na questão policial e da impunidade. Para o governo da Dinamarca, seria recomendável “abolir o sistema separado de Polícia Militar, aplicando medidas mais eficientes para reduzir a incidência de execuções extra-judiciais”.

Governos não hesitaram em denunciar os “esquadrões da morte” no Brasil, como no caso da Coreia do Sul e do Vaticano. Enquanto a Austrália sugeriu que o projeto de UPP seja usado em outros estados do Brasil, a Espanha pediu para que a educação em direitos humanos seja parte das forças de segurança.

Para quase uma dezena de países, entre eles a Alemanha, chegou o momento de o Brasil garantir que crimes cometidos por políciais e outros agentes de segurança sejam devidamente investigados e que o combate à impunidade seja alvo de uma campanha. A situação penitenciária também foi alvo de recomendações, principalmente a situação vivida por mulheres. No documento apresentado ontem, o Conselho sugere que o Brasil “reforme seu sistema penitenciário”. Entre os que apelam para uma melhoria das prisões está o Vaticano.

Verdade. Outro tema destacado foi a criação da Comissão da Verdade, para investigar os crimes durante a ditadura. Argentina e Paraguai incluíram no texto um apelo para que o Brasil amplie seus esforços para “garantir o direito à verdade para as vitimas”. Já a França foi além e recomendou que a comissão seja dotada de “recursos necessários” para reconhecer o direitos das vítimas à Justiça.

As recomendações incluem até mesmo um pedido de garantias por parte do Canadá de que as obras para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 não resulte em deslocamentos massivos de pessoas. “Os residentes de zonas afetadas devem ter informação plena sobre as propostas que os afetam”, recomenda o texto, que ainda pede negociações com as comunidades implicadas e compensações financeiras.