Mindhunter

Stylin’ and Profilin’

Crianças transgênero: pais e médicos na frente de batalha.

O que se pode entender por identidade de gênero?

O Guardian publicou matéria sobre o aumento da demanda de crianças e adolescentes por redesignação sexual no Reino Unido, na qual se destacam as dificuldades dos serviços especializados em lidar com as expectativas e temores dos pais diante desse cenário.

O que segue é a tradução de um fragmento da referida reportagem.

“Em 1989, quando o Serviço de Desenvolvimento de Identidade de Gênero [Gender Identity Development Service, Gids], que funciona na clínica Tavistock, foi inaugurado, ele recebeu dois casos para atendimento. Como observa a Dra. Polly Carmichael, atual diretora do serviço, isso foi considerado uma situação que limitaria a carreira de um psicólogo clínico que quisesse se especializar no tema da identidade de gênero em jovens, pois não havia muitos pacientes. Tudo mudou agora. Em 2015, 1.400 crianças e adolescentes procuraram o Gids, o dobro de casos do ano anterior. Desses 1.400, aproximadamente 300 tinham menos de 12 anos, alguns cerca de três anos de idade.

[…]

“Carmichael está capturada entre vozes entrincheiradas que, por um lado, acreditam que o tratamento hormonal das crianças trans é equivocado em qualquer caso e, por outro, aquelas que veem-no como o único caminho a seguir. Ela tenta, corajosamente, defender as complexidades do meio termo. ‘As pessoas começam a pensar que se você tem esses sentimentos em uma certa idade, então este é o único caminho a seguir’, ela diz. ‘E esse não é o caso. Cada jovem que vem a nós tem necessidades diferentes’”.

Leia a matéria completa, assinada por Tim Adams:

Leia também:

Tráfico de crianças e desistência da adoção: notícias

Provas recolhidas durante investigação da Polícia Civil indicam a prática de tráfico internacional de crianças no Hospital de Contagem. O  inquérito criminal apura o envolvimento de quatro pessoas com uma organização criminosa que negocia recém-nascidos, utilizando grupos de WhatsApp e Facebook. Há registros de conversas e áudios em que crianças foram negociadas por R$30 mil. 

Leia também:

Americans use the Internet to abandon children adopted from overseas

Violência doméstica, violência familiar: bibliografia

Billand, J. & Paiva, V. (2017). Desconstruindo expectativas de gênero a partir de uma posição minoritária: como dialogar com homens autores de violência contra mulheres?. Ciência & Saúde Coletiva22(9), 2979-2988. https://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017229.13742016

Cardoso de Oliveira, L. (2008). Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira De Ciências Sociais23(67), 135-193. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v23n67/10.pdf

Cordeiro, E. (2014). Violência contra a mulher é crime! A Lei Maria da Penha e um trabalho de grupo com agressores. Curitiba: Juruá.

Felman, S. (2014). O insconsciente jurídico: julgamentos e traumas no século XX. São Paulo: Edipro.

Gregori, M. (1993a). Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. São Paulo: Editora Paz e Terra.

Gregori, M. (1993b). As desventuras do vitimismo. Estudos Feministas, 1(1), 143 – 149. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/15998

Gregori, M. (2016). Prazeres perigosos: erotismo, gênero e limites da sexualidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Rifiotis, T. (2015). Violência, justiça e direitos humanos: reflexões sobre a judicialização das relações sociais no campo da “violência de gênero”. Cadernos Pagu, (45), 261-295. https://dx.doi.org/10.1590/18094449201500450261

Simião, D., & Cardoso de Oliveira, L. (2016). Judicialização e estratégias de controle da violência doméstica: a suspensão condicional do processo no Distrito Federal entre 2010 e 2011. Sociedade e Estado31(3), 845-874. https://dx.doi.org/10.1590/s0102-69922016.00030013

 

Spanish Doctor Stands Trial Over Franco-era ‘Stolen Babies’. ICTJ. The Guardian

Activists estimate that tens of thousands of babies were stolen until a law regulating adoption was passed in 1987.

Leia mais

Spanish doctor stands trial over Franco-era 'stolen babies'

ADOÇÃO: MEMÓRIA E IDENTIDADE NA BUSCA DAS ORIGENS

A busca das origens, o que significa, como ocorre e é transmitida, é analisada no artigo com base em pesquisa qualitativa que se valeu de levantamento bibliográfico e documental. Esse levantamento teve por foco aspectos da adoção nacional e da internacional, legislações e filmes que retratam a procura de informações sobre o passado pré-adotivo, alguns dos quais realizados por aqueles que foram adotados. Referências oriundas do campo das humanidades são mobilizadas para analisar a relação entre identidade, adoção e busca das origens.

Leia parte do artigo aqui.

MPPR: publicações sobre ‘depoimento especial’

O Ministério Público do Paraná mantém página em seu sítio eletrônico com seleção de importante material acerca do depoimento especial, disponível em: http://bit.ly/2EJmQss