Victim Impact Statements

Victim impact statements são declarações escritas ou orais elaboradas por vítimas de crimes, com suas próprias palavras, descrevendo como a situação de violência as afetou.

Os 50 estados dos EUA permitem o uso dos Victim impact statements em alguma fase do processo judicial. Canadá e Austrália são exemplos de países que igualmente se valem desse tipo de dispositivo. Quanto ao Canadá, os Victim impact statements estão previstos também para as situações que envolvam crianças e adolescentes.

Leia mais aqui.

Anúncios

‘Cura’ de homossexuais e travestis: as diferentes posições de Brasil e Reino Unido

MPF entra com novo pedido para proibir Conselho de Psicologia de punir quem oferece 'cura' a transexuais e travestis

Violência doméstica e familiar em Portugal: o homem como vítima

Violência doméstica. Eles ficam mais deprimidos, elas aguentam mais tempo, ambos sofrem

 

Homicídio seguido de suicídio: mais de metade dos casos

 

Há 14 homens por dia que se queixam de violência doméstica

 

 

 

A Câmera de Claire

Gênero, vulnerabilidade e agência

De outra parte, a tentativa de proteger a vulnerabilidade tem resultado em políticas em que a situação vulnerável parece estar sendo fixada, ou nos termos mais contemporâneos, estabilizada como um atributo, retirando a agência dos que são tomados como tal. O que até os anos 90 se configurava como a disputa entre a opressão e a transgressão passou a ser a contraposição entre a capacidade de escolha e a vulnerabilidade, trazendo efeitos que me parecem ter que ser melhor ponderados. Maria Filomena Gregori.

Leia também:

A vítima tem sempre razão?

Veja:

Tully

Domestic/Family Violence Death Reviews: o que é isso?

Como diminuir os índices de violência doméstica e familiar?

Domestic/Family Violence Death Reviews são dispositivos que têm por objetivo o levantamento de dados e a produção de informações que possam colaborar em intervenções para reduzir os índices de violência doméstica ou familiar. Trata-se, de fato, de comitês com integrantes de diferentes agências governamentais. Eles estão estabelecidos em diversos países desde os anos 1990, em particular naqueles ditos desenvolvidos, de alta renda per capita. Esses dispositivos não contam com uma estrutura comum, tal como apontado por Bugeja, Dawson, McIntyre e Walsh (2015). Apesar da falta de unidade que caracteriza esses dispositivos, em todos os exemplos estudados a redução de mortes é um dos objetivos perseguidos, ainda que não alcançado nos casos estudados. O foco dos D/FVDRs estudados circunscreve-se aos homicídios por parceiros íntimos. Todavia, alguns deles incluem também outras relações familiares. Um terço dos dispositivos estudados mencionam mudanças no sistema de garantia de direitos e de responsabilização relativo à violência doméstica e familiar decorrentes de recomendações realizadas.


Bugeja, L., Dawson, M., McIntyre, S.-J., & Walsh, C. (2015). Domestic/family violence death reviews: An international comparison. Trauma, Violence & Abuse, 16(2), 179–187. doi:10.1177/524838013517561