Violência doméstica e familiar em Portugal: o homem como vítima

Violência doméstica. Eles ficam mais deprimidos, elas aguentam mais tempo, ambos sofrem

 

Homicídio seguido de suicídio: mais de metade dos casos

 

Há 14 homens por dia que se queixam de violência doméstica

 

 

 

Anúncios

Cortes utilizam inteligência artificial no julgamento de casos criminais. Isso deve ser interrompido imediatamente. Wired

 

[…] Cortes nos EUA utilizam algoritmos para determinar diferentes tipos de risco associados a um réu. Da probabilidade de ocorrer novo crime até as chances de comparecimento ao julgamento. Esses algortimos orientam decisões sobre fianças, sentenças e liberdades condicionais. Essa ferramente aspira a aperfeiçoar a eficácia das decisões humanas – permitindo a melhor disponibilização de recursos finitos. [Quais são os problemas dessa iniciativa?]

Courts Are Using AI to Sentence Criminals. That Must Stop Now

Remembering the Murder You Didn’t Commit. The New Yorker

DNA evidence exonerated six convicted killers. So why do some of them recall the crime so clearly?

Leia também:

As verdades do ‘detector de mentiras'

Por que pessoas inocentes confessam-se culpadas?

 

x

Importação de sêmen dos EUA para o Brasil causa polêmica. O Globo

A notícia de que a maioria dos brasileiros que recorrem a bancos de sêmen nos Estados Unidos busca doadores brancos e de olhos azuis, publicada por um jornal americano no mês passado, chamou a atenção de especialistas e gerou muita discussão sobre racismo e eugenia. Em um país tão miscigenado como o nosso, afinal, por que se busca esse tipo de padrão lá fora? A seguir, mães, médicos e outros profissionais analisam a questão e refletem sobre o que pode estar por trás dela.

Ao longo de seis anos, houve 1.090 importações de sêmen dos EUA para o Brasil. Enquanto isso, anualmente, 30 mil inseminações foram feitas com o “produto nacional”, e 3 milhões de brasileiras engravidam pelo método natural. Mas a polêmica em torno dos amostras, detonada por uma reportagem publicada em março no jornal americano “Washington Post”, não tem a ver com a quantidade. O que está em jogo aqui é, novamente, o perfil dessas importações.[Continua]

Congresso Nacional de Psicanálise, Direito e Literatura

VII CONPDL – As múltiplas faces da adoção: leituras de Nunca deixe de acreditar

Facebook

NOTA TÉCNICA SOBRE OS IMPACTOS DA LEI Nº 13.431/2017 NA ATUAÇÃO DAS PSICÓLOGAS E DOS PSICÓLOGOS. CFP

BREVE HISTÓRICO

Em abril de 2017 foi promulgada a Lei 13.431 que “Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Prevista para entrar em vigor um ano após sua publicação, a lei, que foi aprovada sem que se realizasse ampla discussão sobre o tema com os profissionais ou com a sociedade civil, repercute tanto no Sistema de Garantia de Direitos das crianças e dos adolescentes quanto na psicologia, no tocante a escuta especializada e o depoimento especial.

Com vistas a esclarecer os principais pontos da lei e informar a categoria sobre os possíveis impactos na atuação profissional, o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia, durante a Assembleia de Políticas da Administração e das Finanças – APAF – realizada em dezembro de 2017, aprovaram esta nota técnica [CONTINUA]

Terminology Guidelines for the protection of children from sexual exploitation and sexual abuse. ILO

The Terminology Guidelines, dubbed the ‘Luxembourg Guidelines’ after their adoption in the small country earlier this year, offer guidance on how to navigate the complex lexicon of terms commonly used relating to sexual exploitation and sexual abuse of children. They aim to build consensus on key concepts in order to strengthen data collection and cooperation across agencies, sectors and countries.

No documento disponibilizado no link acima, esclarece-se acerca de diferentes termos utilizados no  campo da garantia de direitos de crianças e adolescentes. Dentre eles, faz-se a distinção entre vitimização secundária e revitimização, que costumam ser frequentemente confundidos.