God loves Uganda

Anúncios

How Science Is Helping Us Understand Gender. National Geographic

Today we know that the various elements of what we consider “male” and “female” don’t always line up neatly, with all the XXs—complete with ovaries, vagina, estrogen, female gender identity, and feminine behavior—on one side and all the XYs—testes, penis, testosterone, male gender identity, and masculine behavior—on the other. It’s possible to be XX and mostly male in terms of anatomy, physiology, and psychology, just as it’s possible to be XY and mostly female.

Leia a matéria completa aqui.

Erotismo, mercado e gênero. Uma etnografia dos sex shops de São Paulo. M.F. Gregori

[…] Vários estudiosos hoje, em nosso país, seguem essa influência crítica e se dedicam a estudar as novas formas de sexualidade, tentando decifrar as convenções eróticas e, através delas, questões como a diferença e a transgressão. Hoje não podemos estudar apenas aqueles universos institucionais de produção dos saberes próprios à consolidação da “sociedade burguesa” dos sécs. XVIII e XIX, como foi inicialmente realizado por Foucault: clínicas, prisões, processos judiciais. Torna-se estratégico investigar as práticas que envolvem os erotismos, em meio a um universo que parece absolutamente central no mundo contemporâneo: o mercado. Além da constatação empírica de que esse universo é significativo para as novas alternativas eróticas, parto do pressuposto de que ele constitui atualmente uma figura das mais paradoxais […].

Gregori, Maria Filomena. (2012). Erotismo, mercado e gênero: uma etnografia dos sex shops de São Paulo. Cadernos Pagu, (38), 53-97. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332012000100003

Presa depois de ser violentada

Yakiri, de 20 años, acaba de salir de prisión. Fue acusada de matar a su agresor [Leia a matéria completa – Estadão]

“Eu ando com o peito nu principalmente porque gosto de me sentir livre”.

Eu ando com o peito nu principalmente porque gosto de me sentir livre.Minha forte segunda razão para andar com o peito nu é normalizar o peito nu feminino para que outras mulheres possam se sentir da mesma forma.

A única maneira de normalizar qualquer coisa é fazê-la com tanta regularidade e normalidade que as pessoas deixarão de ter medo disso e começarão a ver isso como um comportamento convencional. Essa é a minha motivação para postar fotos e vídeos das minhas caminhadas. Eu quero que as pessoas vejam e ouçam elas mesmas as reações (e mais importante as não-reações) do público com que eu cruzo.[Leia mais]

Jessica Jones: vale a pena?

Dito isso, Jessica Jones é um verdadeiro sinal dos tempos. Indo de encontro ao historicamente patriarcal portfólio da Marvel, a produção da Netflix traz um universo recheado de representações femininas incapazes de viver às custas de outrem, utilizando o preconceito do sexo oposto como principal disfarce e confrontando dolorosos estigmas como forma de manter artérias pulsando.[Leia mais – Trendr]

Parabéns, atingimos a burrice máxima

A fogueira de Simone de Beauvoir a partir da questão do ENEM mostrou que a burrice se tornou um problema estrutural do Brasil. Se não for enfrentada, não há chance. Hordas e hordas de burros que ocupam espaços institucionais, burros que ocupam bancadas de TV, burros pagos por dinheiro público, burros pagos por dinheiro privado, burros em lugares privilegiados, atacaram a filósofa francesa porque o Exame Nacional de Ensino Médio colocou na prova um trecho de uma de suas obras, O Segundo Sexo, começando pela frase célebre: “Uma mulher não nasce mulher, torna-se mulher”. Bastou para os burros levantarem as orelhas e relincharem sua ignorância em volumes constrangedores. Debater com seriedade a burrice nacional é mais urgente do que discutir a crise econômica e o baixo crescimento do país. A burrice está na raiz da crise política mais ampla. A burrice corrompe a vida, a privada e a pública. Dia após dia.[Leia mais – El País – Eliane Brum]