Victim Impact Statements: o que é isso?

Qual o lugar da vítima e de sua palavra no sistema judicial?

Victim impact statements são informações escritas ou orais elaboradas por vítimas de crimes, com suas próprias palavras, descrevendo como a situação de violência as afetou.

Os 50 estados dos EUA permitem o uso dos Victim impact statements em alguma fase do processo judicial. Canadá e Austrália são exemplos de países que igualmente se valem desse tipo de dispositivo. Quanto ao Canadá, os Victim impact statements estão previstos também para as situações que envolvam crianças e adolescentes.

O objetivo dos Victim impact statements é o de permitir às vítimas, durante os procedimentos de avaliação judicial do caso, apresentar à máquina judicial o impacto subjetivo sofrido pela situação de violência experimentada. O juiz pode usar as informações dos Victim impact statements a fim de definir as penas do acusados.

Leia a matéria completa em Cartas do Litoral

Anúncios

The confession tapes

 

Por que pessoas inocentes confessam-se culpadas?
As mentiras do ‘detector de mentiras'
The confession tapes. Netflix
What Netflix's "The Confession Tapes" Teach Us about the Psychology of Interrogations. SA

Cidades Fantasmas

Encontro Interdisciplinar sobre o Testemunho. CES

Este encontro organizado como um dia de conferências e debates abertos ao público, visa discutir o estatuto epistemológico do Testemunho em diversas disciplinas das ciências sociais e humanidades. Sendo um tema tradicionalmente tratado pela filosofia, o testemunho adquire sentidos diferentes na própria disciplina filosófica e segue reapropriado por enquadramentos teóricos de outras disciplinas, revelando-se crescentemente pertinente e premente ponderar sobre as teorias e práticas testemunhais dos nossos dias a partir de campos do saber distintos […].

Enquadramento

Na captura dos Friedmans

Leia também:

Qual a diferença entre interrogatório e entrevista (ainda)?
Qual a diferença entre interrogatório e entrevista?
Jesse Friedman’s Case and the Appearance of Impropriety
After a Guilty Plea, a Prison Term and a Movie, a Sex Abuse Case Returns
Capturing the Friedmans
Exonerating Jesse Friedman

Testemunhos emocionados de criança são avaliados como mais críveis. Psypost

Um novo estudo da Universidade de Gotemburgo mostra que os estudantes de direito avaliam os testemunhos infantis como mais críveis e verdadeiros se eles são apresentados  de forma emocional. Assim, existe o risco de que as crianças que se comportam de forma neutra possam ser percebidas como menos críveis no tribunal.

Children's testimony and the emotional victim effect
Emotional children’s testimonies are judged as more credible

Não há democracia onde houver desaparecidos. Entrevista especial com Suzana Lisboa. IHU

No ano passado, participei dos eventos alusivos aos 40 anos do golpe na Argentina. Sempre me pergunto: onde foi que erramos na nossa luta, depois da anistia, que ficamos tão sozinhos e isolados? Fomos nós, os familiares, que fizemos a mobilização, com a ajuda de um que outro. Voltei da Argentina com a certeza de que não fomos nós que erramos, foi a esquerda que nos abandonou.

A Argentina participou dos 40 anos do golpe, participou da marcha. Uma multidão se reuniu na praça, junto com as madres [Madres de Plaza de Mayo, grupo de mulheres que se organizaram para buscar notícias acerca dos filhos desaparecidos durante a ditadura militar na Argentina], com as avós [Abuelas de Plaza de Mayo, organização que tenta localizar crianças sequestradas ou desaparecidas durante a ditadura e devolvê-las às famílias legítimas], com os filhos. A multidão se retira e entra outra, com os partidos políticos. É impressionante.

Os partidos políticos fazem uma manifestação igual ou maior do que a que é feita pelas entidades de direitos humanos. Quem é que se manifesta a favor de alguma coisa aqui no Brasil? Não se reúnem dez pessoas. A esquerda brasileira nos abandonou, desde o começo, com raras exceções. A própria esquerda era contra nossa mobilização. Nós sempre fomos consideradas as impertinentes que sempre reclamam, que nunca estão satisfeitas com nada, sempre querem mais, sempre se manifestam contra isso, contra aquilo.

Leia a entrevista completa.