Magistrada do TJRJ avalia causas do aumento de prisões por falta de pagamento de pensão alimentícia

A crise econômica e a ausência dos pais na vida dos filhos são apontadas como fatores determinantes para o aumento nas prisões por falta de pagamento de pensões alimentícias no Estado do Rio de Janeiro, de acordo com a juíza designada desembargadora Maria Aglaé Tedesco, da 26ª Câmara do Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ). A magistrada concedeu entrevista à TV Brasil nesta quarta-feira, dia 10.

http://portaltj.tjrj.jus.br/web/guest/home/-/noticias/visualizar/54312 
Anúncios

Por que pessoas inocentes confessam-se culpadas?

Plea bargain: dos efeitos da condenação sem julgamento

O juiz Jed Saul Rakoff questionou-se na revista The New York Review of Books acerca dos motivos pelos quais pessoas confessam-se culpadas de crimes que não cometeram. O artigo teve repercussão, gerando comentários e adendos. Traduzimos livremente parte do texto.

Na realidade, o nosso sistema de justiça penal é quase exclusivamente um sistema de delação premiada, negociado a portas fechadas e sem supervisão judicial. O resultado é, em grande parte, obtido a partir da intervenção exclusiva do promotor de justiça.

Em 2013, enquanto 8% de todas as acusações criminais federais foram rejeitadas (por causa de erro, devido à legislação ou porque o réu decidiu cooperar), mais de 97% das restantes foram resolvidas com base em negociações, resultando que menos de 3% foram julgadas. A plea bargain em grande parte determinou as sentenças impostas.

Segundo Áurea Maria Ferraz de Sousa, citada por Luiz Flavio Gomes, o “plea bargaining é instituto de origem na common law e consiste numa negociação feita entre o representante do Ministério Público e o acusado: o acusado apresenta importantes informações e o Ministério Público pode até deixar de acusá-lo formalmente”.

A prática da plea bargain nunca se concretizou na maioria dos outros países, onde foi vista como uma espécie de “pacto do diabo” que permitiria que os réus de fato culpados evitassem toda a força da lei. Esse tipo de negociação respondeu, nos anos imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, pela resolução de mais de 80% de todos os casos criminais [nos EUA]

Em 1984 o Congresso introduziu um regime de orientações obrigatórias de sentença [mandatory sentencing guidelines] com o objetivo de evitar sentenças ‘irracionalmente’ divergentes, deixando aos juízes um grau limitado de discricionariedade. De fato, tratava-se de mais um passo na transferência de poder dos juízes para os promotores de justiça, ainda que não percebido dessa maneira naquele momento. O movimento que culmina nesse resultado inicia-se nos anos 1970, tendo por base o aumento da taxa de criminalidade, relacionado em grande parte ao tráfico de drogas.

As referidas orientações, acabaram por prover o Ministério Público com as armas para coagir de modo efetivo os réus na direção da plea bargain.

Deve ser entendido que na maioria dos casos criminais, o advogado de defesa apenas encontra seu cliente quando ele é detido ou logo após isso. Nesse sentido, ele está em desvantagem quanto às informações em posse do promotor de justiça, que, em contraste, tem ao seu alcance um relatório policial completo, com conteúdos relativos às testemunhas e outras evidências.

Mas o que realmente coloca o promotor de justiça à frente é o fato de que ele — por conta de uma série de dispositivos em uso na esfera criminal, como os mandatory minimums e as sentencing guidelines, bem como de sua habilidade para moldar quaisquer que sejam as acusações, pode efetivamente ditar a sentença a partir do modo como descreve o crime supostamente cometido.

Além do desequilíbrio apresentado acima, não existem procedimentos que controlem o exercício do poder de acusação do procurador ou recurso efetivo para apelar dele. O resultado é que, dos 2,2 milhões de americanos agora presos — um número terrível por si mesmo — bem mais de dois milhões estão lá como resultado de plea bargains ditadas pelos promotores de justiça, que efetivamente ditam as sentenças também.

Por que devemos nos posicionar quanto ao empoderamento dos promotores de justiça que teve por resultado o quadro atual?

A resposta pode ser encontrada na percepção de Jefferson de que um sistema de justiça criminal que é secreto e ditado pelo governo, em última instância, convida ao abuso e até mesmo à tirania. Especificamente, gostaria de sugerir que o atual sistema de negociação promotor-acusado deve ser alvo de objeções.

Quão prevalente é o fenômeno de pessoas inocentes declarando-se culpadas? Os poucos que até agora investigaram o fenômeno estimam que a essa taxa esteja entre 2% e 8%. O tamanho desse intervalo sugere a imperfeição dos dados. Mas suponhamos que seja ainda menor, por exemplo, não mais de 1%. Quando se sabe que dos 2,2 milhões de americanos que estão na prisão, mais de 2 milhões estão lá por conta das plea bargains, estamos falando de cerca de 20.000 pessoas, ou mais, que foram presas por crimes com relação aos quais se declararam culpadas, sem o serem.


 Publicado originalmente em Cartas do Litoral.

Maternidade e prisão

Em todo o Brasil, 249 bebês vivem com suas mães em presídios



A maternidade na prisão



Dar à luz na sombra

x

The Stanford Prison Experiment

WHAT HAPPENS WHEN YOU PUT GOOD PEOPLE IN AN EVIL PLACE? DOES HUMANITY WIN OVER EVIL, OR DOES EVIL TRIUMPH? THESE ARE SOME OF THE QUESTIONS WE POSED IN THIS DRAMATIC SIMULATION OF PRISON LIFE CONDUCTED IN 1971 AT STANFORD UNIVERSITY.

Maternidade na prisão. Ipea

Jovem, de baixa renda, em geral mãe, presa provisória suspeita de crime relacionado ao tráfico de drogas ou contra o patrimônio; e, em menor proporção, condenadas por crimes dessa natureza – este é o perfil da maioria das mulheres em situação prisional no Brasil, inclusive das grávidas e puérperas1 que estão encarceradas nas unidades femininas.

As mulheres representavam, em 2012, 6,4% da população prisional do país, o que em números absolutos significa 35.072 do total de 548.003 pessoas presas2 . Certamente esse percentual já aumentou, considerando que o número de mulheres presas vem crescendo em largas proporções. Por exemplo, entre 2008 e 2011 tal crescimento foi de 27% na região Norte, 28% no Sul, 28% no Nordeste, 8% no Sudeste e 9% no Centro-Oeste, superando, inclusive, o crescimento da população carcerária masculina. Enquanto entre 2000 e 2012 a população carcerária masculina cresceu 130% a feminina cresceu 246%. Dados do ano 2000 apontavam que a população carcerária feminina era de 10.112 mulheres presas, tendo esse número saltado para mais de 35.000 em 20123 .

Dar à luz na sombra: condições atuais e possibilidades futuras para o exercício da maternidade por mulheres em situação de prisão

A prisão em doze paisagens

Review: ‘The Prison in Twelve Landscapes’ Reveals the Invisible Tentacles of Mass Incarceration

Chico Picadinho pode sair da cadeia após 41 anos. Fantástico

Um dos criminosos mais conhecidos da crônica policial brasileira pode ganhar as ruas até o fim deste semestre.

Matéria completa

Leia também:

Chico Picadinho conclui exames e aguarda decisão da Justiça para ter liberdade após 34 anos
Chico aos pedaços