Em busca do nome do pai: uma em cada quatro crianças não tem dados paternos na certidão

Uma a cada quatro crianças não tem dados paternos na certidão. Leia aqui.

Uma a cada quatro crianças não tem dados paternos na certidão. Leia aqui

Que tal educar seu filho como se fosse cachorro?

Matéria da Revista Época desta semana. Mais alguns elementos para pensarmos sobre o lugar das figuras parentais e da função da autoridade familiar neste início de século. Clique aqui para ler a notícia.

Matéria da Revista Época desta semana. Mais alguns elementos para pensarmos sobre o lugar das figuras parentais e da função da autoridade familiar neste início de século. Clique aqui para ler a notícia.

Andi – Perfil de preferência dificulta adoção

Número de crianças aptas adoção não chega a 5 mil. Já o de pretendentes passa de 26 milPróximo de completar dois anos, o Cadastro Nacional de Adoção (CNA) registrou 26.112 pretendentes e 4.350 crianças e adolescentes aptas a serem ado…

Número de crianças aptas à adoção não chega a 5 mil. Já o de pretendentes passa de 26 mil

Próximo de completar dois anos, o Cadastro Nacional de Adoção (CNA) registrou 26.112 pretendentes e 4.350 crianças e adolescentes aptas a serem adotadas. A maioria é do sexo masculino (2.380). Já as meninas chegam a 1.966. A juíza do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Morgana Richa, explicou que a diferença entre quantidade de interessados em adotar e a de crianças disponíveis deve-se ao perfil das crianças preferidas pelos adotantes que são as de até três anos de idade. São Paulo lidera o ranking com 6.985 pretendentes para 1.354 crianças, seguido do Rio Grande do Sul (4.272 pretendentes para 763 crianças) e do Paraná (6.634 pretendentes para 466 crianças).

[Folha de Londrina (PR) – 08/01/2010]

A Sombra da Mãe;um estudo psicanalítico sobre identificação feminina a partir de casos de Vara de Família – dissertação de mestrado Claudia Suannes

Família pós-divórcio; a visão dos filhos – Leila Torraca de Brito

Só Carolina não viu – Nilo Batista


Artigo do professor Nilo Batista, de 2008, sobre os enganos da aplicação de uma política criminal punitiva às questões de gênero:
Só Carolina não viu – violência doméstica e políticas criminais no Brasil

Projeto pode criar agente comunitário de Justiça

http://www.ibdfam.org.br/?noticias&noticia=3311

http://www.ibdfam.org.br/?noticias&noticia=3311