As verdades do ‘detector de mentiras’

O que a busca desenfreada pela verdade revela de nós mesmos?

Leonarde Keeler realizou o primeiro teste de detecção de mentiras em um tribunal em 1935. Os polígrafos ainda são usados ​​hoje em uma variedade de lugares, mas nunca houve comprovação de que realmente funcionassem. No caso de 1935, escreve Brandy Zadrozny para The Daily Beast, a leitura da máquina foi considerada evidência admissível no tribunal e tanto o promotor como a defesa concordaram em utilizá-la. “Keeler foi avaliado em suas declarações”, ela escreve. “Eu não gostaria de condenar um homem apenas com base nos registros”, disse ele ao juiz. Mas fora do tribunal, Keeler estava radiante quando o júri voltou com um veredicto de culpa. “Isso significa que as descobertas do detector de mentiras são aceitáveis ​​no tribunal como testemunho de impressões digitais”, disse ele à imprensa”. Mas mesmo assim, ela escreve, em um caso anterior a Suprema Corte havia decidido que o detector de mentiras, que não tinha aprovação da comunidade científica, não era capaz de fornecer provas admissíveis. Em quase todas as ocasiões, o polígrafo foi proibido nos tribunais federais e estaduais. Mas, em outras partes do sistema legal, eles ainda o usam — principalmente, ao que parece, para intimidar.

Aqui está o que um detector de mentiras faz, nas palavras da Associação Americana de Psicologia: “A chamada “detecção de mentiras” envolve inferir a fraude com base na análise de respostas fisiológicas a uma série de questões estruturadas, mas não padronizadas”. Todos sabemos o que faz um detector de mentiras: a máquina fornece leituras de polígrafo das respostas físicas de uma pessoa às perguntas que são feitas. Geralmente, mede a freqüência cardíaca / pressão arterial, respiração e condutividade da pele, escreve a APA. O inquiridor — na ficção, geralmente um policial — dirige à pessoa avaliada — na ficção, geralmente um suspeito — uma série de perguntas, começando com as mais simples, projetadas para estabelecer uma linha de base de quais leituras são “normais” para a pessoa na cadeira. “Qual o seu nome”, é comum. Na vida real, a APA escreve: o método de questionamento mais comum usa perguntas amplamente baseadas em “temas que são semelhantes aos que estão sendo investigados, mas relacionados ao passado do sujeito”. Um exemplo: “Você já traiu alguém que confiou em você?” Os dois maiores problemas, escreve a APA, são estes: não há como saber se os sintomas da “excitação corporal” (como um pulso elevado) que a máquina mede são causados ​​por mentiras e não há como saber se os resultados de alguém são afetados pelo fato de que eles acreditam no polígrafo. Se esta segunda visão estiver correta “o detector de mentiras pode ser melhor chamado de detector de medo”. Claro, “a busca de vencer a mentira é tão antiga quanto a humanidade”, escreve Drake Bennett para a Bloomberg Businessweek. Bennett continua: “Na Idade do Bronze da China e da Índia, os suspeitos tiveram que mastigar arroz não cozido e cuspi-lo para revelar se suas bocas estavam secas. A Europa medieval experimentou fogo ou água. Nos anos 50 e 60, a CIA experimentou o LSD como um soro de verdade. Depois, há tortura, formalizada na Grécia antiga como um método para compelir honestidade e a reformulação dessa prática para o século 21 como “interrogatório aprimorado”.

O polígrafo, escreve Bennett, é “o dispositivo de detecção de mentiras mais confiável de hoje”. Embora sua evidência não possa ser usada em um tribunal, ele ajuda a determinar como aqueles em cargos de confiança — a CIA, o FBI, os departamentos de polícia — são contratados. “Os detetives usam isso como uma ferramenta de investigação, os oficiais de inteligência usam isso para avaliar a credibilidade das fontes, e os exames são normalmente necessários como condição de liberdade condicional e liberdade condicional para os agressores sexuais”, ele escreve. “O que distingue uma cultura é a forma como ela lida com o engano”, escreve o historiador Ken Alder em ‘Detectores de mentira: A história de uma obsessão americana’: “o tipo de mentiras que denuncia, o tipo de instituições criadaspara expô-las”. Os EUA, ele escreve, são o único país que produziu o teste de polígrafo. Sabemos que os detetores de mentira são mentirosos. Mas ainda os utilizamos. O que isso diz sobre nós?


Em 2010 republicamos um post bastante interessante de Carlos Orsi, Estadão, acerca do fracasso do investimento britânico na tecnologia envolvida nos ‘detectores de mentiras’: http://bit.ly/1kywQUh

Em 2014 várias matérias ocuparam os veículos de imprensa por conta da experiência dos ‘especialistas em veracidade’ e do uso de ‘detectores de mentiras’: http://glo.bo/Sfv3YL.

Parte do material mencionado acima foi motivado pelos desdobramentos das investigações relacionadas ao assassinato do menino Bernardo, no Rio Grande do Sul: http://glo.bo/1kyx2Tx.

O uso desses recursos continuam a não tem ter receptividade no meio jurídico.

Nas matérias indicadas, a menção à Psicologia é feita em termos da crítica à tecnologia envolvida nos polígrafos, particularmente tendo por base o trabalho do psicólogo David Lykkenhttp://amzn.to/1m6VTKi


Publicado originalmente em Cartas do Litoral.

Autor: jccoimbra

a reader, above all

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.