Entre Freud e Merleau-Ponty: os estudos iniciais da memória e o lugar da linguagem

Este artigo foi publicado na Revista Mnemosine e teve por objetivo analisar os marcos iniciais dos estudos psicológicos sobre a memória, os quais são relativos ao ‘laboratório’ e à ‘clínica’. Isto é, os estudos iniciais sobre a memória desenvolveram-se a partir de experimentos que se imbuíam de preocupações relativas ao método científico, tanto quanto, em outra esfera, nutriam-se da experiência clínica.

O trabalho apresenta alguns autores relevantes desses campos no século XIX, buscando articulação com os escritos de Freud do mesmo período.

A diretriz adotada é a crítica de Merleau-Ponty feita ao mecanicismo em ‘A Estrutura do Comportamento’.

Observa-se, ao final, a importância desse tema nos textos de Freud dessa fase, em particular quanto ao que é postulado nesse momento como aparelho de linguagem.

Texto Completo:

http://www.mnemosine.com.br/ojs/index.php/mnemosine/article/view/272/pdf_255

Anúncios

Autor: jccoimbra

a reader, above all

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s